ATENDIMENTO:   (67) 3322-5100    (67) 9 9982-8028
CENTRO TECNOLÓGICO DR. HÉLIO MARTINS COELHO

Artigo: Facilidade de Parto na Raça Nelore - É hora de monitorar

Autor(es):
Angela Bittencourt e Roberta Pontes Gestal
Entidade(s):
Melhora+ Consultoria Genética, Genética Aditiva e Alta Genetics (Artigo publicado na Revista Pecuária em Alta)
Ano: 2019
Resumo:

Este artigo apresenta os resultados do forte trabalho de seleção e a evolução da precocidade sexual de fêmeas da raça Nelore, através da análise das características Idade ao Primeiro Parto (IPP) e Probabilidade de Parto Precoce (3P), com base em dados coletados ao longo de décadas no rebanho Genética Aditiva. Um dos reflexos desta forte seleção é a redução da idade média das matrizes, podendo resultar em problemas de dificuldade no parto, fato que desencadeou a necessidade de monitoramento de eventuais problemas nas propriedades e o desenvolvimento de um material a ser distribuído em fazendas participantes do programa de melhoramento genético da ANCP.

Download:
 FAZER O DOWNLOAD DO TRABALHO COMPLETO

OUTRAS PESQUISAS E TRABALHOS REALIZADOS

Autor(es): Marcos Vargas da Silveira (Orientador: Dra. Eliane Vianna da Costa e Silva)
Entidade(s): Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Ano: 2020
RESUMO:
Autor(es): Vitor Miotto Oliveira (Coorientador: Dra. Eliane Vianna da Costa e Silva)
Entidade(s): Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Ano: 2020
RESUMO:
Autor(es): Fernanda Battistotti Barbosa (Orientador: Eliane Vianna da Costa e Silva)
Entidade(s): Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Ano: 2020
RESUMO:
Autor(es): Nedenia Bonvino Stafuzza, Eliane Vianna da Costa e Silva, Rafael Medeiros de Oliveira Silva, Fernanda Battistotti Barbosa, Fernando Baldi, Luiz Carlos Cesar da Costa Filho, Gustavo Guerino Macedo, Raysildo B. Lobo
Entidade(s): Instituto de Zootecnia (IZ) - Sertãozinho, SP, Laboratório de Reprodução Animal, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FAMEZ), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) - Campo Grande, MS, Zoetis - São Paulo, SP, PROCRIAR Assistência Vete
Ano: 2019
RESUMO:
A seleção para touros que atingem a puberdade mais cedo reduz o intervalo entre gerações e aumenta a fertilidade e produtividade do rebanho. Apesar de sua importância econômica, existem poucos QTLs associados à idade a puberdade descritos na literatura. Neste estudo, foi realizado um GWAS pela metodologia single-step para detectar regiões genômicas e potenciais genes candidatos relacionados com idade a puberdade em touros jovens da raça Nelore. Foram identificados genes codificadores de proteína relacionados com funções de espermatogênese nas regiões genômicas que explicam mais de 0,5% da variância genética aditiva para idade a puberdade em touros Nelore. A herdabilidade para idade a puberdade demonstra que esta característica pode ser melhorada através de seleção baseada nas DEPs tradicionais. A utilização de informações genômicas ao sistema ajuda a elucidar genes e mecanismos moleculares envolvidos no controle da precocidade sexual e pode auxiliar na predição da precocidade sexual em touros Nelore com acurácia maior a uma idade mais jovem, o que aceleraria o processo de melhoramento genético nesta raça. Palavras-chave: gado de corte, Bos indicus, GWAS, precocidade sexual.
Autor(es): Luiz Carlos Cesar da Costa Filho, Ellen Caroline Soligo, Alini Silva Peixoto, Fernanda Battistotti Barbosa, Eduardo Antônio de Almeida Rossignolo, Tallita Silva de Assis, Vitor Miotto Oliveira, Maria Inês Lenz, Eliane Vianna da Costa e Silva
Entidade(s): Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Grupo GERA UFMS – Campo Grande, MS
Ano: 2017
RESUMO:
A pediatria já utiliza o hormônio Anti-Mülleriano (AMH) como parâmetro clínico na identificação de problemas de precocidade sexual, puberdade precoce (baixas concentrações de AMH) e tardia (altas concentrações de AMH). O estudo foi conduzido com objetivo de verificar a correlação das concentrações de AMH à desmama em bezerros Nelore, de acordo com a classe de precocidade sexual. Sessenta e um machos Nelore, utilizados para este experimento, foram classificados conforme sua precocidade sexual: superprecoces (SM) - animais que apresentaram idade à puberdade até 52 semanas de idade; precoces (M) - aqueles que chegaram à puberdade entre 53 e 64 semanas de idade; e tardios (L) - aqueles que alcaçaram a puberdade a partir de 65 semanas. Destes, o sangue foi coletado três vezes (desmame, 12 e 16 meses) para quantificação de AMH e testosterona (T). Na puberdade, os machos SM, embora mais jovens e com menor peso e peso de desmama, não diferiram de M e L para níveis hormonais de AMH e T. Os dados mostram que a medição de perímetro escrotal (PE) não pode ser uma única ferramenta para definir a puberdade, uma vez que cada classe deste trabalho apresentou medidas distintas. O perímetro escrotal não influenciou (P > 0,05) a expressão da idade à puberdade dos tourinhos. Não foi encontrada correlação da concentração do AMH com nenhuma das características estudadas (P> 0,05). A utilização do parâmetro de perímetro escrotal, como único fator de predição de precocidade sexual, não conseguiu identificar a precocidade sexual, sendo necessário acompanhamento por coleta de sêmen (P > 0,05). Palavras-chave: AMH, Puberdade, Touros.
Autor(es): Eliane Vianna Costa e Silva, Luíz Carlos Cesar Costa Filho, Cynthia Cantagessi de Souza, Caroline Carvalho de Oliveira, Vanessa Lopes Dias Queiroz, Carmem Estefânia Serra Neto Zúccari
Entidade(s): Grupo de Estudos em Reprodução Animal no Mato Grosso do Sul, GERA-MS/CNPq, FAMEZ/UFMS, Laboratório de Reprodução Animal /FAMEZ/UFMS, Programa de Pós- Graduação em Ciência Animal, FAMEZ/UFMS – Campo Grande, MS.
Ano: 2015
RESUMO:
O sistema reprodutivo adotado na pecuária bovina privilegia a distribuição do patrimônio genético do touro, mas por outro lado, aumenta o impacto individual do macho sobre a produtividade e a fertilidade do rebanho: exacerbando potenciais individuais sejam eles positivos ou negativos. É preciso entender a diferença de abordagem de seleção do potencial reprodutivo de um macho entre os Programas melhoramento genético (PMG) e a clínica veterinária. Os PMGs procuram identificar nos indivíduos o potencial de agregar a sua progênie características reprodutivas tais como: precocidade sexual, habilidade materna, facilidade de parto entre outras. O exame clínico veterinário avalia o potencial de fertilidade do indivíduo e procura eliminar da reprodução não só animais com patrimônio genético indesejável para tal, mas também aqueles que se apresentam clinicamente inférteis ou subférteis. Nesta revisão pretende-se discutir alguns aspectos mais atuais da selecção de reprodutores para uso em monta natural do ponto de vista andrológico e do ponto de vista do melhoramento genético que resultam em maior potencial fértil do reprodutor ou que garantam maior vida útil dos touros no rebanho. Palavras-chave: adaptação, exame andrológico, fertilidade, genoma, puberdade.
Autor(es): M.J. Yokoo , C.U. Magnabosco , G.J.M. Rosa , R.B. Lôbo , L.G. Albuquerque
Entidade(s): Embrapa Pecuária Sul/ CPPSUL – Bagé, RS Embrapa Cerrados/CNPAF - Planaltina, Department of Dairy Science - University of Wisconsin - Madison - WI, USA, Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores - Ribeira?o Preto, SP, Universidade Estadual Paulis
Ano: 2012
RESUMO:
Objetivou-se com este trabalho estimar as herdabilidades (h2) e as correlações genéticas (rg) entre idade ao primeiro parto (IPP) e primeiro intervalo de partos (PIEP) e outras características como peso (PS) ao ano (A) e ao sobreano (S), altura do posterior (ALT) e peri?metro escrotal (PE450) em animais da raça Nelore. Os parâmetros genéticos foram estimados em uma análise multicaracterística por modelo animal, utilizando-se a inferência bayesiana via algoritmo de "Gibbs Sampling". Os parâmetros genéticos estimados sugerem a existência de variabilidade genética para IPP (h2 = 0,26), sendo que a seleção para a diminuição da IPP de fêmeas Nelore deve responder à seleção individual, sem causar antagonismo do valor genético dos animais para PS (rg = -0,22 (A) e -0,44 (S)) e PE450 (rg = 0,02). A seleção para a diminuição da IPP, no longo prazo, pode levar a um aumento da ALT dos animais, embora essa associação seja relativamente baixa (-0,35). A estimativa de herdabilidade a posteriori para a característica PIEP foi baixa, 0,11±0,03. As rg entre PIEP e as demais características estudadas indicam que a seleção para essas características de crescimento não afetará o PIEP. Palavras-chave: altura do posterior, componentes de variância, correlação genética, herdabilidade, precocidade sexual.
Autor(es): Marcos Jun Iti Yokoo
Entidade(s): Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias – Unesp – Jaboticabal, SP
Ano: 2009
RESUMO:
Objetivou-se com esse trabalho estimar os parâmetros genéticos para as características área de olho de lombo (AOL), espessura de gordura subcutânea na costela (EG) e espessura de gordura na garupa (EGP8) obtidas por ultrassom, ao ano (A) e ao sobreano (S). Além disso, foram estimadas as correlações genéticas entre essas características de carcaça obtidas por ultrassom (CCUS), e dessas com outras características de importância econômica em bovinos de corte, como peso (PS), altura do posterior (ALT) e perímetro escrotal (PE450) ao sobreano, idade ao primeiro parto (IPP) e primeiro intervalo entre partos (PIEP). Os parâmetros genéticos foram estimados em análises multi-características pelo modelo animal, utilizando-se a inferência Bayesiana via algoritmo de "Gibbs Sampling". As estimativas de herdabilidade a posteriori para as CCUS foram: 0,46 (AOL_A), 0,42 (EG_A), 0,60 (EGP8_A), 0,33 (AOL_S), 0,59 (EG_S) e 0,55 (EGP8_S), mostrando que se essas características forem utilizadas como critério de seleção, as mesmas devem responder rapidamente à seleção o individual, sem causar antagonismo na seleção do PE450, PS (A e S) e IPP. A estimativa de herdabilidade a posteriori para as características IPP e PIEP foi de magnitude moderada a baixa, 0,26 e 0,11, respectivamente. A ALT apresentou correlação genética (rg) negativa com a EG_S (-0,38) e EGP8_S (-0,32), evidenciando que a seleção para animais mais altos pode levar a animais tardios em termos de terminação da carcaça. A seleção para melhorar as CCUS, o PIEP e o PE450 não afetará a IPP, contudo, animais mais pesados e mais altos tendem a ser mais precoces sexualmente (rg variou entre - 0,22 e -0,44). Com exceção da EG_S (rg=0,40), a seleção para as CCUS e as características de crescimento não afetará o PIEP, por resposta correlacionada. Palavras–chave: amostragem de Gibbs, carcaça, correlação genética, herdabilidade, precocidade sexual.
Autor(es): Marcos Jun Iti Yokoo, Juliana Nunes Werneck, Márcio Cinachi Pereira, Lucia Galva?o de Albuquerque, William Koury Filho, Roberto Daniel Sainz, Raysildo Barbosa Lobo e Fabiano Rodrigues da Cunha Araujo
Entidade(s): Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Departamento de Zootecnia - Jaboticabal, SP, Brasilcomz - Zootecnia Tropical - Jaboticabal, SP, University of California, Department of Animal Science - Davis, CA 95616, USA, A
Ano: 2009
RESUMO:
O objetivo deste trabalho foi estimar correlações genéticas e fenotípicas entre escores visuais e características de carcaçaa medidas por ultrassom, para verificar a eficácia desses escores na determinação da musculosidade e na avaliação da carcaça. As características de carcacça medidas por ultrassom foram área de olho de lombo (AOL) e espessura de gordura subcutânea (EG), mensuradas entre a região da 12a e 13a costelas, bem como a espessura de gordura subcutânea na garupa (EGP8). As caracteri?sticas de estrutura (E), precocidade (P) e musculosidade (M) foram avaliadas por meio de escores visuais. Os componentes de covariância usados para estimar as correlações genéticas e fenotípicas foram obtidos pelo método da máxima verossimilhançaa restrita, em uma análise multicaracterística. As estimativas de correlações genéticas entre AOL e E, P e M foram 0,54, 0,58 e 0,61, respectivamente, e indicaram que, a longo prazo, a utilização da AOL como critério de seleção poderá produzir animais com maiores escores visuais para essas características. As correlações genéticas estimadas entre as espessuras de gordura (EG e EGP8) e os escores P e M apresentaram comportamento semelhante. Entretanto, as correlações genéticas entre as espessuras de gordura (EG e EGP8) e E foram próximas de zero. As correlações fenotípicas seguiram as mesmas tendências das respectivas correlações genéticas. Essas estimativas indicam que os escores visuais são determinados, em parte, pelos mesmos conjuntos de genes que influenciam a AOL. Palavras-chave: componente de variância, correlação fenotípica, herdabilidade, musculosidade, parâmetro genético.
Autor(es): Paulo Roberto C. Nobre, João Candido A. Porto, Sérgio de Mattos, Antonio do N. Rosa, Luiz Otávio C. da Silva, Arthur da S. Mariante, Geraldo R. Figueiredo e Urbano G. P. de Abreu
Entidade(s): EMBRAPA – CNPGC, Campo Grande, MS
Ano: 1984
RESUMO:
Projeto e resultados do trabalho de pesquisa em cruzamento industrial, delineado para equacionar os problemas de avaliação dos produtos meio-sangue em diferentes regiões, para que recomendações corretas possam ser feitas aos produtores, buscando mais precisão e sensibilidade dos testes e resultados. O objetivo foi a obtenção de animais mais eficientes quanto aos aspectos de eficiência reprodutiva e produção de carne, além de difundir o uso de cruzamentos como mecanismo de aproveitamento do vigor híbrido ou heterose.
Genética Aditiva - Pecuária de Precisão
Rua Prof. Luiz Alexandre de Oliveira, 67 - Royal Park
CEP: 79021-430 - Campo Grande / MS
Telefone: (67) 3322-5100
E-mail: vendas@geneticaaditiva.com.br
Todos os direitos reservados © 2020 - Genética Aditiva - Pecuária de Precisão.